Relações entre conteúdo de qualidade e fatores de ranqueamento Google

Falar sobre a importância que a web tem para o marketing de empresas e profissionais autônomos hoje em dia já se tornou lugar comum, uma vez que mesmo leigos sabem a importância que a promoção na web representa para a sobrevivência e crescimento no mercado.

Essa presença online pode se dar de várias maneiras, mas uma das mais eficazes é através da busca orgânica, mais conhecida como SEO, totalmente gratuita e baseada em conteúdo de qualidade e relevância para os usuários. Quanto maior a qualidade a relevância do conteúdo, maiores as chances do site aparecer nas primeiras posições nas páginas resultantes de buscas. Mas como o Google analisa o que é um conteúdo de qualidade e relevante? Por meio de algoritmo de ranqueamento.

Algoritmo de ranqueamento Google

Atualmente, existem milhões de páginas na web, fazendo que mapeá-las, indexá-las e ranqueá-las seja uma tarefa quase impossível. Quase, pois o algoritmo do Google, baseado em machine learning — um programa que possui a capacidade de realizar ações sem que seja explicitamente programado para isso — é capaz de realizar essas ações de maneira extremamente rápida e com índices de eficácia bastante satisfatórios.

Neste ponto, surge a pergunta: mas então o conteúdo tem que ser pensado para ter qualidade e relevância para um programa de computador? Não, isso não é verdade, pois todos os fatores de ranqueamento utilizados por esse algoritmo vão de encontro aos desejos e necessidades dos usuários.

Por isso, é muito importante que no momento de planejar e escrever os conteúdos voltados à web ter em mente quais os critérios que precisam ser atendidos para que determinado texto seja considerado bom e consiga ranquear seu site ou blog da melhor maneira.

Além disso, trata-se de um algoritmo que recebe atualizações constantes para que possa ser mais preciso, o que obriga produtores de conteúdo a estarem sempre de olho nas novidades lançadas.

Fonte:https://medium.com/