5 lições de marketing de Hello Kitty

Hello Kitty já completou 40 anos de vida. Criada em 1974 pela empresa japonesa Sanrio, a personagem apareceu pela primeira vez em uma bolsinha de guardar moedas. Quatro décadas depois, Kitty está presente em uma miríade de produtos e é conhecida em todo o mundo.

Só que, neste ano, a Sanrio sofreu um baque: após anos na liderança, Hello Kitty deixou de ser o personagem que mais movimenta a venda de produtos no Japão. Agora, Mickey Mouse e Anpanman, um outro queridinho do país, são mais rentáveis que a menininha.

Mas antes mesmo de perder a liderança, a Sanrio já apostava em algumas mudanças. Uma delas foi a abertura de unidades do Hello Kitty Cafe – o Brasil, inclusive, já tem uma operação do tipo. Além disso, em 2015 será lançada uma linha de roupas masculina inspirada na garota.

O site da revista “Inc.” listou algumas lições de marketing, inspiradas na trajetória de Hello Kitty e em seu novo momento, que podem ser aproveitadas por qualquer empreendedor. Confira:

1. Mude antes de a situação ficar ruim
A Sanrio não criou uma estratégia de modernização da Hello Kitty porque a situação estava ruim. Na verdade, a incursão da empresa no mercado de cafeterias ocorreu antes de perder espaço no Japão. Não é possível dizer se a repaginação surtirá efeito, mas a lição que fica é que um negócio não pode usar a inovação como último recurso.

2. Não tenha medo de inovar
Há 40 anos, Hello Kitty “nasceu” em uma bolsa de moedas. Anos depois, passou a figurar em artigos de material escolar, desenhos animados e jogos eletrônicos, além de inúmeros outros produtos. Mas seria difícil imaginar um café inspirado na personagem. Mais complicado ainda é conceber uma marca masculina com um tema tão infantil e feminino. Mas a Sanrio não se importa. Para a companhia, Kitty pode estampar qualquer produto. As ideias até podem parecer estapafúrdia, mas a coragem da empresa japonesa em “pensar fora da caixa” pode servir de inspiração para quem tem um negócio menor.

3. Mas saiba o que deve ficar como está
A Sanrio transita bem entre a linha tênue que separa a disrupção da descaracterização de uma marca. Cafeterias e roupas masculinas são novidades quase que inusitadas. No entanto, a companhia não sinalizou nenhuma mudança no desenho da personagem – que, no fim, é o que mais importa para os amantes de Kitty.

4. Não se esqueça dos fãs antigos
Para criar um negócio longevo, é necessário inovar sempre. Esquecer o passado, contudo, é ruim. O equilíbrio entre a busca pelo novo e o respeito pelo que é mais antigo é algo bastante valorizado na Sanrio. É um hábito da empresa realizar, ao redor do planeta, convenções e exposições sobre a história de Hello Kitty.

5. Propaganda não é só anúncios
Mesmo sendo bastante conhecida no Japão, Hello Kitty não costuma aparecer em anúncios na televisão e em revistas. Não é que a Sanrio não gaste dinheiro com publicidade. A diferença é que a empresa investe em canais alternativos. O licenciamento para jogos e animações, por exemplo, garante exposição sem um investimento muito grande. Outra estratégia usada pelos japoneses consiste em presentes para celebridades. Além disso, Hello Kitty é promovida por artistas que não recebem nenhum dinheiro da Sanrio. A cantora Avril Lavigne, por exemplo, fez até uma música para a personagem.

Fonte: Revistapegn.globo.com | Foto: Divulgação.