Growth Hacking: O que é e porque sua empresa precisa disso

O QUE É GROWTH HACKING?

Growth Hacking é o termo que define o que os especialistas na área intitulam marketing orientado a experimentos. Em poucas palavras, quer dizer a busca por oportunidades de melhorias na aquisição de clientes a partir da união dos conhecimentos em marketing, vendas e tecnologia.

Como o próprio nome explicita são as brechas — ou “hacks” —  que, quando encontradas, direcionam o crescimento do negócio — o “growth”. Por ter sua base na tecnologia, o Growth Hacking se vale da abordagem científica para identificar estas oportunidades.

O processo começa com a criação de hipóteses, passa por uma etapa de testes, até chegar à mensuração dos resultados e avaliação do retorno gerado. Em resumo, a interseção entre o desenvolvimento de produtos e o marketing com foco direcionado a aumentar o resultado com o menor esforço possível.

QUAIS OS BENEFÍCIOS DELE PARA SUA EMPRESA?

FOCO NO RESULTADO

Como já ficou claro na explicação do conceito, um dos principais benefícios do Growth Hacking é o foco exclusivo no resultado gerado. Com isso, a empresa evita o direcionamento de dinheiro e esforço para ações que não tenham metas claras e métricas de monitoramento definidas.

AGILIDADE

Com o crescimento, a tendência é que as empresas engessem seus processos e consequentemente percam oportunidades por falta de agilidade. Com o Growth Hacking esse problema deixa de existir, já que a rapidez na busca por soluções e novas ideias é a base essencial desta metodologia. É essa velocidade, inclusive, que auxilia na obtenção de resultados e na escalabilidade da estratégia.

REDUÇÃO DO CUSTO

A essência do Growth Hacking é atingir o crescimento do negócio com o máximo de resultado com o menor esforço. No final do dia, esta natureza da estratégia se traduz em menores custos com aquisição e manutenção de clientes.

COMO APLICAR O PROCESSO DE GROWTH HACKING?

Para implementar o Growth Hacking em seu negócio é preciso passar por 5 etapas que se assemelham bastante com o ciclo de desenvolvimento de uma startup. Como a metodologia se baseia em hipóteses de melhoria, o início da jornada é a geração de ideias e brainstorming.

Na sequência, tudo o que foi gerado precisa ser analisado, para que apenas as ideias com potencial de sucesso avancem para a modelagem dos experimentos. O ideal é encontrar as ideias que reúnam menor custo e maiores chances de sucesso.

O esforço agora passa a ser, então, de planejamento dos experimentos e determinação das métricas que serão utilizadas para avaliar os testes. Por fim, as duas últimas etapas quase se fundem, pois são a execução do teste e a posterior análise do resultado.

O objetivo aqui é compreender se a hipótese foi confirmada ou refutada. Nem sempre os resultados deste processo saem como o esperado. A tendência, no entanto, é que a conclusão traga sempre novas ideias, hipóteses e oportunidades de melhoria.

 

Fonte: blog.gruv.com.br