A verdade sobre conteúdo duplicado e SEO

Conteúdo duplicado no meu site pode prejudicar o SEO de todo o meu domínio?

A resposta curta é “sim, pode”, mas não da forma que você está pensando.

Excluindo casos extremos, seu site está seguro, desde que a quantidade de conteúdo duplicado seja pequena. Mas o que caracteriza um caso extremo? Algo como o que ocorreu com uma empresa que contratou uma consultoria de relações públicas (RP) um pouco ruim: a consultoria de RP não se deu ao trabalho de escrever um press release; eles copiaram o texto da página inicial da empresa e o enviaram para diversos veículos.

Muitos desses veículos publicaram o texto sem alterações em vários locais. Os algoritmos do Google então começaram a disparar alarmes, pois o mesmo texto estava aparecendo em muitos sites em um curto espaço de tempo. Para o Google, isso era sinal de spam, fazendo com que as páginas que carregam esse conteúdo duplicado sejam prejudicadas nas pesquisas.

Resumindo, alguns posts duplicados no seu blog não vão prejudicar o rankeamento do seu site. Lembre-se de que o Google é uma empresa com mais de 50 mil funcionários e que, dentre outras coisas, faz carros que não precisam de motorista e pipas para gerar energia eólica. Ou seja, tem bastante gente inteligente trabalhando por lá. Portanto, o Google é esperto o suficiente para saber que seu site não é malicioso por ter um post duplicado dentre outros 50 conteúdos originais e de qualidade.

Mas por que conteúdo duplicado é um problema para SEO?

Lá em 2014, a atualização do algoritmo do Google, batizada de Panda, refinou os resultados orgânicos mostrados na página de busca, privilegiando conteúdos relevantes para o usuário. Já publicações pobres em informação ou repetidas perderam visibilidade.

O principal problema do conteúdo duplicado “não malicioso” é que os motores de busca não sabem qual versão do conteúdo exibir, pois, se o conteúdo original não for útil para o usuário, um conteúdo igual também não será.

Portanto, se você não indicar ao Google qual dos conteúdos é o correto para ser exibido, ele vai se encarregar de escolher uma das versões – optando possivelmente pela versão que foi indexada primeiro, a original. Mas, se há muitos links externos direcionando para essa versão da página, as chances aumentam ainda mais.

Além de escolher qual conteúdo exibir nos resultados da busca, o Google também precisa determinar qual versão receberá a autoridade no caso de outros sites que possuem links para uma das versões do conteúdo.

Mais uma vez, se você não disser ao Google qual versão deve receber essa autoridade, ele poderá atribuir para as versões erradas, até mesmo diluindo a autoridade dentre as várias versões – e, consequentemente, prejudicando a colocação do conteúdo nos resultados de busca. Isso afeta diretamente seu posicionamento e reduz a quantidade de visitantes que chegam à sua página.

Você já tem conteúdo duplicado no site sem saber

Conteúdo duplicado muitas vezes é gerado pelas próprias plataformas de gestão de conteúdo, como o WordPress, sem você saber.

Eis alguns exemplos do que é considerado conteúdo duplicado para o Google:

  • Domínio com e sem www: http://seu_dominio.com.br e http://www.seu_dominio.com.br são considerados dois sites diferentes para o Google. Logo, todas as páginas dentro desses sites que podem ser acessadas com ou sem o www são conteúdos duplicados para o Google.
  • Mesmo conteúdo acessado com URLs diferentes: É muito comum blog posts estarem disponíveis na sua URL única e também em outras URLs que mostram somente posts de uma determinada categoria.
  • Versão da página para impressão: alguns sites geram uma versão específica para impressão da página. Quando acessado por uma URL diferente da original, esse tipo de conteúdo também representa duplicidade para os motores de busca.

Como lidar com conteúdo duplicado?

Existem diversas formas de “ensinar” aos motores de busca como lidar com seu conteúdo duplicado para que você concentre a autoridade na versão que deseja:

Redirecionamentos permanentes

Também conhecidos como redirect 301, são feitos diretamente no servidor e utilizados para que os usuários não vejam mais a página em questão, sendo redirecionados automaticamente para uma outra página especificada.

Ao fazer isso, os motores de busca entendem que toda a autoridade que a página deve ser transferida para a página destino do redirecionamento.

Esse é um método muito usado quando uma empresa está mudando de domínio e não quer perder a autoridade que já conquistou.

Mas, lembre-se, todo e qualquer redirecionamento envolve perda de autoridade. No entanto, você pode minimizar os efeitos ao fazer da maneira certa. Há também alguns plugins de WordPress que fazem isso de forma mais fácil para quem não tem intimidade com códigos.

Canonical tags

Enquanto redirecionamentos permanentes são feitos no servidor, as canonical tags são tags inseridas diretamente no código HTML da página.

Basicamente, ela especifica a versão “canônica” do conteúdo, ou seja, a URL do conteúdo original. Dessa forma, toda a autoridade dos links recebidos vai para a URL especificada.

Essa opção é muito usada quando você quer republicar um post antigo ou publicar em um lugar diferente um guest post.

Consistência de links internos

Como comentamos acima, existem muitas páginas que podem ser acessíveis por mais de um link, por exemplo http://seu_dominio.com.br ou http://www.seu_dominio.com.br.

Para não confundir o Google, não use no seu site links de URLs diferentes que levam pra mesma página.

Tag “noindex, follow”

Essa tag permite que o buscador rastreie a página, mas sem incluí-la nos seus resultados de busca.

Link para o artigo original

Ao reproduzir um artigo, como um guest post, é possível colocar no final um link para o artigo original.

Dessa forma, o Google sabe que aquela é a URL com o conteúdo original.

Resumo com suas palavras e o link para o artigo original

Quando você for reproduzir algo de outro site, é útil você fazer uma releitura do conteúdo com suas próprias palavras para sua página receber autoridade.

O link para o conteúdo original vai ajudar o Google a saber que eles são relacionados.

Páginas de índice com post encurtado

Jamais use páginas com a listagem de posts onde o post aparece na íntegra.

Mostre apenas as primeiras palavras ou resumo do post, pois mostrando o post em sua totalidade você estará duplicando o conteúdo em URLs diferentes, o que já vimos que prejudica seu posicionamento.

Conclusão

Conteúdo duplicado é um problema para qualquer estratégia de SEO, mas existem técnicas consolidadas para informar aos motores de busca qual é a versão correta do material.

Além disso, com exceção de casos muito extremos, a preocupação de que o Google ou outro motor de busca vá punir um domínio por um pouco de conteúdo duplicado não tem fundamento na experiência prática.

 

 

Fonte: resultadosdigitais.com.br