A internet e o consumismo

Por causa dos avanços tecnológicos, não é necessário mais sair de casa e ir até à loja para comprar determinados produtos, pois atualmente é possível fazer o mesmo através da criação de sites em formato de lojas virtuais, nas quais são expostos produtos que podem ser adquiridos por preços menores, com facilidade de compra e rapidez de entrega. Sendo que nessas lojas são descritos os detalhes do produto e ainda contém em muitos, comentários de outros usuários que realizaram a compra do mesmo produto e voltam ao site para avaliá-lo.

Com tantas facilidades de compra, isso se torna um abismo para as pessoas, que com uma promoção aqui, outra ali, dão origem ao consumismo em suas vidas, que consiste em comprar aquilo que não se precisa ter, apenas pelo prazer de comprar, ou de “aproveitar as ofertas”.

Segundo pesquisas, o comércio virtual cresce cerca de 30% ao ano. Para que esse tipo de venda “chame a atenção” das pessoas, existe uma disputa de ofertas, frete grátis, rapidez na entrega do produto e publicidade em massa para atrair cada vez mais compradores.

As pessoas devem saber separar “o que eu preciso” do que é desnecessário, pois muitas vezes as pessoas veem aquela novidade e compram somente para satisfazer seus próprios desejos, sem nem precisar do produto. Muitas delas acabam ficando endividadas porque não tem como pagar esses “caprichos”, e acabam prejudicadas nessa história.

Outro fator negativo do consumismo é que quanto mais as pessoas compram, mais lixo elas juntam, agredindo o meio ambiente. A internet facilita o consumismo, porém as pessoas devem ter em mente que consumismo é um vício muito difícil de controlar, e quando a pessoa vê, já está comprometida além do que “pode suportar”, se endividando e complicando sua vida cada vez mais.

Devemos consumir aquilo que é necessário, assim contribuímos de forme positiva para a sustentabilidade, mantendo nossas economias sempre em dia, para que o consumismo não se torne algo característico na vida das pessoas, mas que diminua consideravelmente.

Por Ricardo Oliveira, Webmaster da FlyTec. | Foto: Divulgação.